Publicado em
Categoria

Editoria: Estatísticas Econômicas

08/07/2022

om o avanço de 0,3% na indústria nacional em maio, na série com ajuste sazonal, 11 dos 15 locais pesquisados pelo IBGE apresentaram taxas positivas. As maiores altas foram no Amazonas (6,6%) e no Mato Grosso (4,6%. Paraná (3,5%), Ceará (3,2%), Goiás (3,2%), Espírito Santo (2,8%), Santa Catarina (1,6%) e Rio Grande do Sul (0,7%) também registraram avanços acima da média nacional (0,3%).

Bahia (0,3%), São Paulo (0,3%) e Minas Gerais (0,1%) completaram o conjunto de índices positivos. O recuo mais acentuado foi no Pará (-13,2%), com Rio de Janeiro (-4,1%) e Pernambuco (-2,4%) a seguir. O Nordeste repetiu a variação nula (0,0%) de abril.

A média móvel trimestral (0,4%) ficou positiva em 11 dos 15 locais, liderados por Amazonas (2,3%), Ceará (1,9%) e Rio de Janeiro (1,3%). A menor média foi do Pará (-4,7%).

No acumulado do ano, houve queda em dez dos 15 locais pesquisados, com destaque para Pará (-11,9%), Santa Catarina (-6,6%) e Ceará (-6,2%). Já o acumulado dos últimos 12 meses recuou em nove dos 15 dos quinze locais pesquisados.

Indicadores Conjunturais da Indústria  –  Resultados Regionais  –  Maio de 2022
Locais Variação (%)
Maio 2022
/Abril 2022*
Maio 2022
/Maio 2021
Acumulado
Janeiro-Maio
Acumulado nos
Últimos 12 Meses
Amazonas6,69,12,1-1,8
Pará-13,2-18,3-11,9-9,3
Região Nordeste0,08,4-0,2-6,3
Ceará3,25,3-6,2-6,5
Pernambuco-2,4-4,6-5,3-6,5
Bahia0,326,08,9-3,9
Minas Gerais0,1-2,6-2,22,0
Espírito Santo2,8-2,4-1,01,3
Rio de Janeiro-4,13,05,25,4
São Paulo0,3-1,0-3,5-3,0
Paraná3,51,5-2,60,6
Santa Catarina1,6-0,1-6,6-2,3
Rio Grande do Sul0,74,2-0,30,4
Mato Grosso4,622,823,310,6
Goiás3,22,90,9-2,2
Brasil0,30,5-2,6-1,9
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Estatísticas Conjunturais em Empresas  * Série com Ajuste Sazonal

Na variação de 0,3% na atividade industrial em maio, na série com ajuste sazonal, 11 dos 15 locais pesquisados mostraram taxas positivas. Amazonas (6,6%) e Mato Grosso (4,6%) assinalaram as expansões mais acentuadas, com ambos eliminando as perdas observadas em abril último: -0,1% e -3,7%, respectivamente. Paraná (3,5%), Ceará (3,2%), Goiás (3,2%), Espírito Santo (2,8%), Santa Catarina (1,6%) e Rio Grande do Sul (0,7%) também registraram avanços mais intensos do que a média nacional (0,3%), enquanto Bahia (0,3%), São Paulo (0,3%) e Minas Gerais (0,1%) completaram o conjunto de locais com índices positivos.

Por outro lado, Pará (-13,2%) apontou o recuo mais acentuado nesse mês e eliminou o crescimento de 1,3% verificado em abril último. Rio de Janeiro (-4,1%) e Pernambuco (-2,4%) assinalaram as demais taxas negativas em maio de 2022, enquanto a Região Nordeste, ao mostrar variação nula (0,0%), repetiu o patamar do mês anterior

O índice de média móvel trimestral para a indústria teve acréscimo de 0,4% no trimestre encerrado em maio frente ao nível do mês anterior e manteve a trajetória predominantemente ascendente iniciada em novembro de 2021. Onze dos quinze locais pesquisados tiveram taxas positivas, com destaque para Amazonas (2,3%), Ceará (1,9%), Rio de Janeiro (1,3%), Bahia (1,2%), Mato Grosso (1,2%), Região Nordeste (1,1%) e Goiás (0,8%). Por outro lado, Pará (-4,7%) registrou a principal magnitude de perda em maio de 2022.

Na comparação com maio de 2021, a indústria nacional teve acréscimo de 0,5% em maio de 2022, com nove dos quinze locais pesquisados apontando resultados positivos. Vale citar que maio de 2022 (22 dias) teve um dia útil a mais do que igual mês do ano anterior (21). Bahia (26,0%) e Mato Grosso (22,8%) tiveram os avanços de dois dígitos e os mais intensos, impulsionados, principalmente, pelas atividades de coque, derivados do petróleo e biocombustíveis (óleo diesel, óleos combustíveis, gasolina automotiva, naftas para petroquímica, parafina e gás liquefeito de petróleo), na Bahia; e de produtos alimentícios, coque, derivados do petróleo e biocombustíveis (álcool etílico) e bebidas, em Mato Grosso.

Amazonas (9,1%), Região Nordeste (8,4%), Ceará (5,3%), Rio Grande do Sul (4,2%), Rio de Janeiro (3,0%), Goiás (2,9%) e Paraná (1,5%) completaram o conjunto de locais com índices positivos nesse mês.

Por outro lado, Pará (-18,3%) apontou o recuo mais elevado, pressionado pelo comportamento negativo das indústrias extrativas. Pernambuco (-4,6%), Minas Gerais (-2,6%), Espírito Santo (-2,4%), São Paulo (-1,0%) e Santa Catarina (-0,1%) mostraram os demais resultados negativos nesse mês.

No acumulado no ano, frente a igual período do ano anterior, a redução na produção nacional alcançou dez dos 15 locais pesquisados, com destaque para Pará (-11,9%), Santa Catarina (-6,6%) e Ceará (-6,2%). Pará foi afetado pelos das indústrias extrativas e do setor de metalurgia. Santa Catarina foi pressionada por produtos têxteis, máquinas, aparelhos e materiais elétricos, máquinas e equipamentos e produtos de borracha e de material plástico.

O Ceará teve o desempenho influenciado pelo setor de confecção de artigos do vestuário e acessórios, produtos alimentícios e máquinas, aparelhos e materiais elétricos. Pernambuco (-5,3%) e São Paulo (-3,5%) registraram taxas negativas mais acentuadas do que a média nacional (-2,6%), enquanto Paraná (-2,6%), Minas Gerais (-2,2%), Espírito Santo (-1,0%), Rio de Grande do Sul (-0,3%) e Região Nordeste (-0,2%) completaram o conjunto de locais com recuo na produção no índice acumulado no ano.

Por outro lado, Mato Grosso (23,3%) teve o avanço mais elevado impulsionado pelo comportamento positivo vindo dos setores de produtos alimentícios e de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis. Bahia (8,9%), Rio de Janeiro (5,2%), Amazonas (2,1%) e Goiás (0,9%) mostraram as demais taxas positivas.

O acumulado dos últimos 12 meses, ao recuar 1,9% em maio de 2022, manteve a trajetória descendente iniciada em agosto de 2021 (7,2%). Em termos regionais, nove dos quinze locais pesquisados registraram taxas negativas em maio de 2022 e onze apontaram menor dinamismo frente aos índices de abril último. Amazonas (de 1,5% para -1,8%), Ceará (de -3,7% para -6,5%), Minas Gerais (de 4,7% para 2,0%), Espírito Santo (de 4,0% para 1,3%), Santa Catarina (de 0,1% para -2,3%), São Paulo (de -0,8% para -3,0%), Pará (de -7,6% para -9,3%) e Rio Grande do Sul (de 2,1% para 0,4%) mostraram as principais perdas entre abril e maio de 2022, enquanto Bahia (de -7,0% para -3,9%) e Mato Grosso (de 8,5% para 10,6%) assinalaram os maiores ganhos entre os dois períodos.

Fonte: Agência IBGE de Notícias

https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/34251-em-maio-industria-tem-alta-em-11-dos-15-locais-pesquisados

ATENDIMENTO PERSONALIZADO e muito mais

Somos referência no segmento de revenda e distribuição de ferro e aço.